ANS quer estimular participação do paciente para melhoria do cuidado em saúde

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) quer estimular uma maior participação do paciente nas decisões relacionadas à saúde, contribuindo, assim, para qualificar o cuidado e tornar o usuário mais consciente sobre suas necessidades. Para isso, a reguladora está lançando o projeto “Sua Saúde: Informe-se e Faça Boas Escolhas”. A iniciativa é inspirada em ações desenvolvidas em outros países e busca falar diretamente com o paciente, fornecendo informações relevantes e orientando sobre questões relacionadas ao cuidado e tecnologias utilizadas no diagnóstico e tratamento de doenças.

O projeto conta com a parceria de 17 instituições, incluindo entidades médicas, acadêmicas e de apoio ao paciente. O grupo, coordenado pela ANS, propõe um conjunto de informações que está sendo disponibilizado no portal da Agência com o intuito de melhorar o entendimento do paciente sobre sua situação de saúde e sobre o seu papel no tratamento. A página do projeto será atualizada periodicamente, com a inserção de novos conteúdos. O primeiro tema a ser abordado é a comunicação com o responsável pelo cuidado. Para isso, são dadas dicas sobre como o paciente deve se preparar para uma consulta. Essa interlocução é componente fundamental da atenção em saúde e, quando bem feita, além de aumentar o bem-estar e a confiança do paciente, pode potencializar os resultados positivos do tratamento.

“O projeto Sua Saúde é uma iniciativa que estimula uma participação mais proativa do paciente em relação à tomada de decisão em saúde, focando na informação de qualidade compartilhada com os outros responsáveis pelo cuidado”, explica Daniele Pinto da Silveira, especialista em regulação e assessora técnica da Diretoria de Desenvolvimento Setorial da ANS. “Com esse projeto, queremos oferecer ferramentas ao paciente para que ele de fato participe das decisões que lhe afeta, questione e saiba que podem existir alternativas de diagnóstico e tratamento. Queremos o paciente como protagonista do cuidado”, destaca. Daniele ressalta que em sistemas de países do mundo inteiro tem-se observado um crescimento da abordagem centrada e focada na experiência do usuário, e a comunicação tem papel fundamental, contribuindo para os resultados do cuidado.

O primeiro conjunto de informações disponibilizado contempla orientações gerais para que o paciente realize uma boa consulta, com dicas que devem ser observadas antes, durante e depois do atendimento. Também são sugeridas perguntas essenciais que o paciente pode fazer ao responsável pelo cuidado em relação a procedimentos e exames:

1. Esse exame/procedimento é realmente necessário?
2. Quais são os benefícios, as contraindicações e os efeitos colaterais desse exame/procedimento?
3. Existem opções mais simples e seguras?
4. O que acontece se eu não investigar ou se eu não tratar meu problema?
5. Quais são os custos envolvidos?

“É muito importante que as pessoas saibam que é esperado que façam perguntas e procurem compreender melhor o que se passa quando sofrem com algum problema de saúde. Muitas vezes os pacientes não questionam sobre sua condição de saúde quando estão em uma consulta e acabam buscando outras fontes para orientação, nem sempre adequadas. Essas perguntas que estamos sugerindo podem colaborar para um melhor resultado do cuidado e também para uma melhor relação médico-paciente. São perguntas que podem surgir naturalmente durante a conversa com seu médico ou outro profissional de saúde que o acompanha”, diz Daniele.
Os responsáveis pelo cuidado (médicos e demais profissionais de saúde) são parte fundamental dessa relação e, como tal, também ganham com as medidas sugeridas pela iniciativa. Entre os benefícios estão a maior adesão do paciente ao tratamento, com maior probabilidade de obtenção de bons resultados, a fidelização do paciente ao profissional de saúde, a diminuição do risco de entendimento equivocado das prescrições e recomendações e maior satisfação do profissional de saúde com sua prática clínica.

Sobre o projeto

O projeto Sua Saúde nasceu da participação de representantes de pacientes em fóruns constituídos pela ANS e é inspirado em experiências como a Slow Medicine, o Talking to your Doctor (NIH/EUA), o programa NHS Choices e a iniciativa conhecida como Connecting to patients and people who use services, estes últimos do governo do Reino Unido.
O conteúdo foi construído com o apoio de um Grupo Técnico (GT) formado e coordenado pela ANS e composto por 17 instituições. Confira abaixo os parceiros do Sua Saúde:

 Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP);
 Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/FIOCRUZ);
 Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/FIOCRUZ);
 GVSaúde/FGV-EAESP;
 Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN);
 Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial (SBPC/ML);
 Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV);
 Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC);
 Hospital Sírio-Libanês;
 Hospital Israelita Albert Einstein;
 Hospital Pró-Cardíaco;
 Associação Médica Brasileira (AMB);
 Grupo AMIL;
 Unimed BH;
 Gama Saúde;
 Banco Safra;
 Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE).

A iniciativa também surge no contexto de ações em andamento na ANS voltadas à indução da qualidade do setor, intensificadas a partir de 2014 com a proposição de cinco eixos prioritários: Oncologia (Projeto OncoRede); Cuidado ao Idoso (Projeto Idoso Bem Cuidado); Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME); Odontologia (Projeto Sorrir) e Atenção ao Parto e Nascimento (Parto Adequado). Com informações da Agência ANS.

Fonte: Forum Saúde Digital

Anúncios

Não estranhe, seu médico ainda lhe prescreverá alguns Aplicativos (Apps) para sua Saúde Digital !

Em dois artigos nós abordamos o tema de como os wearables (dispositivos vestíveis) farão parte de nossas vidas, e terão um papel significativo na monitoração de nossa Saúde Digital. Mas eles não trabalham sozinhos, precisam de um companheiro – o Aplicativo (também chamamos de App)!

Você deve ter talvez algumas dezenas deles em seu smartphone, que o auxiliam nas mais variadas tarefas: mapas, calculadora, foto, música, navegar na internet, comunicação por texto, midia social, etc. Eles hoje são criados para quase todas as aplicações e necessidades, muitas inúteis é verdade.

No campo da Saúde não seria diferente. O número de aplicativos de saúde móvel (conhecidos como mHealth Apps) aumentou nos últimos dois anos, com mais de 165.000 aplicativos de saúde agora disponíveis nas lojas de aplicativos Apple iTunes e Android, de acordo com um novo estudo do IMS – Institute for Healthcare Informatics.

Mas a pergunta óbvia é: Será que todos eles atendem nossas necessidades e são relevantes para nossa Saúde?

Leia mais em: http://forumsaudedigital.com.br

Fraudes e desperdícios consomem R$ 22,5 bilhões de despesas da saúde suplementar

Estudo produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) estima que cerca de R$ 22,5 bilhões dos gastos de operadoras de planos de saúde no país com contas hospitalares e exames, em 2015, foram gerados indevidamente, decorrendo de fraudes e desperdícios com procedimentos desnecessários. O número representa 19% do total de despesas assistenciais feitos no periodo, que somaram R$ 117,24 bilhões.

No estudo evidências de práticas fraudulentas em sistemas de saúde internacionais e no Brasil, o IESS identificou que entre 12% e 18% das contas hospitalares apresentam itens indevidos e entre 25% e 40% dos exames laboratoriais não são necessários.

Os dados mostram ainda, com base em relatório da Controladoria-Geral da União, que o problema também assume grandes proporções no sistema público de saúde: entre 2002 e 2015, foram detectadas irregularidades de desvio de dinheiro de aproximadamente R$ 5 bilhões, o equivalente a 27,3% do total de irregularidades em todas as áreas do governo.

Na saúde privada, as principais formas de abuso se concentram em tratamentos excessivos e desnecessários ou na baixa qualidade no atendimento; na comercialização inadequada de medicamentos e de dispositivos médicos; e na sonegação de tributos. Segundo o relatório, tais práticas se originam e são mantidas sobretudo pela ausência de mecanismos de transparência para explicitar, por exemplo, as relações entre os agentes do setor de saúde (se um profissional da área recebeu um benefício ou uma comissão de um fornecedor de materiais e medicamentos).

“Legislações da Alemanha e dos Estados Unidos indicam que todos os pagamentos e benefícios entre agentes do setor de saúde devem ser tornados públicos. A União Europeia e os Estados Unidos também instituíram marcos regulatórios com punições severas para atos de corrupção”, destacou o estudo.

“No Brasil, falta transparência nos sistemas de precificação de insumos, serviços de saúde e também no modelo de pagamento por serviços prestados na saúde, o que inviabiliza a comparação e o controle de custos nas distintas etapas que envolvem o atendimento ao paciente e abrem espaço para práticas inadequadas, como atos de corrupção”, completou o IESS. 

Isto acontece, de acordo com a entidade, principalmente em razão do modelo usado para pagamentos de serviços de saúde, a chamada conta aberta ou fee-for-service. Neste caso, a conta de serviços absorve todos os custos, insumos, procedimentos e usos dos equipamentos – mesmo quando há falhas e desperdícios ou, até mesmo, corrupção.

Um dos requisitos sugeridos pela pesquisa para combater tais práticas no setor é modernizar os sistemas de pagamento por meio da premiação à eficiência e o melhor desfecho clínico ao paciente e punindo o desperdício e a contratação de exames desnecessários, assim como reinternações ou agravamento dos quadros clínicos causados por falhas assistenciais.

Fonte:http://istoe.com.br