Organize-se com Kanban

Ha alguns dias escrevi um tópico sobre gestão à vista e mencionei sobre o Kanban! Pra quem não conhece “Kanban é um termo de origem japonesa e significa literalmente “cartão” ou “sinalização”. Este é um conceito relacionado com a utilização de cartões (post-it e outros) para indicar o andamento dos fluxos de produção em empresas de fabricação em série.” Fonte: Kanban

O conceito vem da indústria, mas pode ser muito bem aplicado em todas as áreas, inclusive na nossa vida, para uma melhor organização das atividades, estudos, projetos de aquisição de um veículo, um imóvel ou qualquer coisa. Na nossa era, que é da tecnologia, há aplicações que simplificam e agilizam as atividades sem a necessidade de postites, como mencionado no conceito original. Mas não podemos deixar de lado o bom e velho papel.

A parte manual do negócio!

Vou citar um exemplo que podemos aplicar, e que faço uso para os estudos, partimos do uso de cartolina e postites, logo mais menciono o uso de aplicativo.  Crio então colunas na cartolina com as descrições, A Fazer (To Do), Fazendo (Doing) e Feito (Done) conforme figura abaixo.

kanban-board2.jpg

Na parte “A Fazer” coloco a minha lista de atividades, e conforme vou realizando, colo-as nas outras colunas. Simples, não!

É um processo de gestão à vista, com controle das atividades. Esse modelo pode ser empregado tranquilamente em seus projetos, conforme mencionei, por exemplo, para aquisição de um carro coloque nas atividades, juntar R$ XX valor até o mês YY, vender tantos produtos até tal data, etc.

O lado bom da Tecnologia!

Agora vamos para a parte tecnológica do negócio, então gostaria de apresentar a vocês uma ferramenta que utilizo, que é muito simples, prática e efetiva. Não é propaganda e não ganho nada com isso, aliás, ganho ajudando a ampliar o conhecimento de todos de uma certa forma 😉

Trello, é o nome da ferramenta! É um aplicativo online que faz esse mesmo papel dos postites, porém, você tem a possibilidade de adicionar prazo de entrega, descrições mais detalhadas, lista de tarefas etc etc. A aplicação funciona em computadores, Tablet´s, celulares e demais dispositivos que tenham acesso à internet. Criei, conforme imagem abaixo, um exemplo para entrega da declaração do imposto de renda com prazo para 31/03/2017, e conforme o andamento da atividade, só arrastar o quadro para o “Fazendo” ou “Feito”.

kanbantrello

O aplicativo está disponível em www.trello.com, basta acessar criando uma conta e começar a se organizar!

Alessander Gonçalves José
CEO CloseToMewww.closetome.com.br
Analista de Projetos em Tecnologia
Mestrando em Tecnologia da Informação e Comunicação

Anúncios

Fraudes e desperdícios consomem R$ 22,5 bilhões de despesas da saúde suplementar

Estudo produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) estima que cerca de R$ 22,5 bilhões dos gastos de operadoras de planos de saúde no país com contas hospitalares e exames, em 2015, foram gerados indevidamente, decorrendo de fraudes e desperdícios com procedimentos desnecessários. O número representa 19% do total de despesas assistenciais feitos no periodo, que somaram R$ 117,24 bilhões.

No estudo evidências de práticas fraudulentas em sistemas de saúde internacionais e no Brasil, o IESS identificou que entre 12% e 18% das contas hospitalares apresentam itens indevidos e entre 25% e 40% dos exames laboratoriais não são necessários.

Os dados mostram ainda, com base em relatório da Controladoria-Geral da União, que o problema também assume grandes proporções no sistema público de saúde: entre 2002 e 2015, foram detectadas irregularidades de desvio de dinheiro de aproximadamente R$ 5 bilhões, o equivalente a 27,3% do total de irregularidades em todas as áreas do governo.

Na saúde privada, as principais formas de abuso se concentram em tratamentos excessivos e desnecessários ou na baixa qualidade no atendimento; na comercialização inadequada de medicamentos e de dispositivos médicos; e na sonegação de tributos. Segundo o relatório, tais práticas se originam e são mantidas sobretudo pela ausência de mecanismos de transparência para explicitar, por exemplo, as relações entre os agentes do setor de saúde (se um profissional da área recebeu um benefício ou uma comissão de um fornecedor de materiais e medicamentos).

“Legislações da Alemanha e dos Estados Unidos indicam que todos os pagamentos e benefícios entre agentes do setor de saúde devem ser tornados públicos. A União Europeia e os Estados Unidos também instituíram marcos regulatórios com punições severas para atos de corrupção”, destacou o estudo.

“No Brasil, falta transparência nos sistemas de precificação de insumos, serviços de saúde e também no modelo de pagamento por serviços prestados na saúde, o que inviabiliza a comparação e o controle de custos nas distintas etapas que envolvem o atendimento ao paciente e abrem espaço para práticas inadequadas, como atos de corrupção”, completou o IESS. 

Isto acontece, de acordo com a entidade, principalmente em razão do modelo usado para pagamentos de serviços de saúde, a chamada conta aberta ou fee-for-service. Neste caso, a conta de serviços absorve todos os custos, insumos, procedimentos e usos dos equipamentos – mesmo quando há falhas e desperdícios ou, até mesmo, corrupção.

Um dos requisitos sugeridos pela pesquisa para combater tais práticas no setor é modernizar os sistemas de pagamento por meio da premiação à eficiência e o melhor desfecho clínico ao paciente e punindo o desperdício e a contratação de exames desnecessários, assim como reinternações ou agravamento dos quadros clínicos causados por falhas assistenciais.

Fonte:http://istoe.com.br

10 dicas para melhorar suas finanças pessoais

Estudos realizados pela Confederação Nacional do Comércio apontam que mais de 60% das famílias estão endividadas. Isso acontece justamente pela falta de organização nas finanças pessoais.

Mas o que fazer para melhorar as suas finanças pessoais? Dicas simples que, quando seguidas à risca, podem fazer toda a diferença no seu orçamento, principalmente no final do mês.

Antes de redirecioná-lo ao link para as 10 dicas, particularmente tenho uma e, gostaria de compartilhar com vocês! É uma aplicação online que faço uso a muito tempo, que é o “Organizze“. Um aplicativo mobile, que pode ser acessado de qualquer dispositivo desde que conectado na internet, para controle de finanças pessoais e empresariais. No começo se torna um pouco cansativo ter que adicionar todas as categorias, contas etc, mas basta você seguir a risca, colocando todos os gastos, pois qualquer Real é importante! Depois de virar um hábito, você não viverá mais sem a aplicação e pode ter certeza, conseguirá resolver muitas preocupações financeiras só com a organização! Não deixe de tentar, acesse a página organizze.com.br e faça o download.

Por isso, fique atento e confira essas 10 dicas para melhorar as suas finanças pessoais!

Leia agora no portal Educa Saúde e descubra como isso é possível, clique no link abaixo.

Fonte: 10 dicas para melhorar suas finanças pessoais – Portal Educa Saúde | Conhecimento de Alto Impacto

Aprovado projeto que permite destruição do original de documento digitalizado

O documento digitalizado e certificado pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil) terá o mesmo valor legal do documento físico que lhe deu origem. A medida é prevista no substitutivo ao Projeto de Lei do Senado (PLS) 146/2007 aprovado nesta quarta-feira (7) pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). De autoria do senador Magno Malta (PR-ES), a proposta original autoriza a eliminação do original do documento após a digitalização certificada. destruicao-de-papel-jpg-300x157

O relator, senador José Maranhão (PMDB-PB), apresentou o substitutivo, que será submetido a turno suplementar de votação na próxima reunião da CCJ. De acordo com o PLS 146/2007, a digitalização de documentos e o armazenamento em mídia ótica ou digital autenticada serão realizados por empresas ou cartórios devidamente credenciados.

O projeto abre prazo de 90 dias, a partir de sua conversão em lei, para o governo regulamentar a matéria, indicando os requisitos para o credenciamento das empresas e dos cartórios autorizados a realizar esses serviços.

PREJUDICIALIDADE

No final de 2015, a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) se manifestou pela prejudicialidade do PLS 146/2007. A justificativa foi de que a regulação pretendida já constava da Lei 12.682/2012, decorrente da aprovação do PLC 11/2007, que tramitou em conjunto com a proposta de Malta.

O relator na CCJ rejeitou o argumento da CCT de que o projeto estaria prejudicado pelo fato de tratar de questões (equiparação dos documentos digitalizados com certificação aos documentos originais e garantia do mesmo efeito jurídico dos documentos microfilmados às cópias digitalizadas) vetadas pela Presidência da República na sanção ao PLC 11/2007.

“Consideramos que a pendência de apreciação dos vetos apostos à Lei 12.682/2012 não enseja a prejudicialidade da presente proposição. A pendência de apreciação de veto presidencial não é um fator impeditivo ao oferecimento de proposições legislativas. O presente projeto, caso aprovado por ambas as Casas Legislativas, ainda teria que ser submetido à sanção do presidente da República”, sustentou Maranhão.

ADEQUAÇÃO

O relator na CCJ sugeriu a adequação do conteúdo do projeto ao texto da Lei 12.682/2012, o que fez por meio do substitutivo. Maranhão observou que a lei proíbe a eliminação dos documentos físicos digitalizados, “o que acaba por impedir que avancemos na desmaterialização de processos, como já o fez o Poder Judiciário”. Como o Novo Código de Processo Civil já reconheceu os documentos digitais e digitalizados como válidos para os fins de direito, o relator sustentou que isso precisa estar presente também na Lei 12.682/2012.

“Com efeito, deve-se permitir que os documentos apresentados em papel possam ser destruídos após a sua digitalização, desde que respeitados os requisitos procedimentais para garantia da integridade, autenticidade e fidedignidade da conversão do arquivo do meio físico para o meio digital”, considerou Maranhão.

Agência Senado 

Fonte: http://docmanagement.com.br